Oslo acaba de provar que zero é possível