top of page

Caleb Ewan vence sétima etapa ao ‘sprint’, Attila Valter segue líder do Giro



Sequência da chegada com Caleb Ewan (Lotto Souldal), Davide Cimolai (Israel Start-Up Nation) e Tim Merlier (Alpecin-Fenix). foto divulgação Giro


Caleb Ewan (Lotto Soudal) voltou a demonstrar a superioridade no ‘sprint’ ao vencer a sétima etapa do Giro d’Italia, a segunda nesta edição.


Depois de já ter vencido no quinto dia de corrida, voltou hoje a ser o melhor dos velocistas ao cumprir os 181 quilômetros entre Notaresco e Termoli em 4:42.12 horas, batendo sobre a linha final o italiano Davide Cimolai (Israel Start-Up Nation), segundo, e o belga Tim Merlier (Alpecin-Fenix), terceiro.


Nas contas da geral, o húngaro Attila Valter (Groupama-FDJ) segurou a maglia rosa, dado que a etapa não trouxe alterações nas primeiras posições da geral, continuando a ter no belga Remco Evenepoel (Deceuninck-QuickStep), segundo a 11, e o colombiano Egan Bernal (INEOS), terceiro a 16, os principais perseguidores.

O húngaro Attila Valter (Groupama-FDJ) manteve a maglia rosa. foto divulgação Giro


Numa chegada com ligeira inclinação, o italiano Danilo Oss (Bora-hansgrohe) liderava o pelotão e os homens mais rápidos, mesmo que o seu colega eslovaco Peter Sagan, para quem fez esse trabalho, tivesse ficado de fora do ‘top 10’, com o objetivo da ‘maglia ciclamino’ cada vez mais difícil.


Por outro lado, foi o colombiano Fernando Gaviria (UAE Emirates) o primeiro a lançar, de longe, um ataque declarado à vitória, mas não teve ‘pernas’, e quando Ewan arrancou, não houve quem o conseguisse acompanhar.



Prova disso, de resto, foi o ar desiludido de Cimolai e Merlier ainda antes de cruzarem a linha de chegada, resignados a assistir de perto a novo triunfo do australiano, o quinto na ‘corsa rosa’, a somar a outro quinteto na Volta a França.


“[Foi uma vitória de] inteligência e trabalho de equipa. Nos últimos 10 quilômetros, tínhamos mesmo de estar na frente. Fizemos um grande trabalho. O mais importante para mim era não vir tão de trás. Acabei por ‘sprintar’ a 450 metros, foi uma chegada superdifícil e as minhas pernas arderam”, resumiu o velocista.


O triunfo de Ewan foi ainda mais especial porque permitiu à sua Lotto Soudal ascender à liderança do ‘ranking’ de equipas com mais vitórias no Giro, entre as inscritas na 104.ª edição, com a sua Lotto Soudal a somar a 30.ª e desempatar com a Deceuninck-QuickStep.


Com três fugitivos durante toda a prova, incluindo o ‘especialista’ suíço Simon Pellaud (Androni Giocattoli Sidermec), o dia teve menos movimentações do que o habitual, com os homens da geral a resguardarem-se já depois da desistência, antes da partida, do italiano Domenico Pozzovivo (Qhubeka ASSOS).


O principal problema aconteceu na Education First-Nippo, de Ruben Guerreiro, uma vez que o britânico Hugh Carthy teve um problema mecânico, mas já dentro dos últimos três quilômetros, sendo neutralizada a diferença de tempo para um dos candidatos.


Classificação após a 7ª etapa



capa_bike_273_mai23.png
capa_bike_GUIA23.png
capa_dirt_332_mai23.png
bottom of page